"Não se precisa mais do que folhear as páginas de nossa História para ver como, no tempo do Império, era bem mais adiantada que no dias de hoje a mentalidade dos nossos políticos e dos nossos dirigentes.

Esta República, como ela aí está, é uma traição que se fez ao País. Proclamaram a República em nome da liberdade, e em nome da República suprime-se a liberdade. Substitui-se uma dinastia honesta por vinte e duas oligarquias ferozes e vorazes que, na União e nos Estados, sorvem-nos, gota a gota, todas as nossas energias." -Heitor Moniz "O Brasil de ontem" - Leite Ribeiro,RJ 1928.


  • A República Nasceu com Dispnéia

Dom Luiz de Orleans e Bragança escreveu:

A Monarquia Brasileira, no momento da catástrofe, contava um número ínfimo de adversários declarados. Ao contrário os seus partidários e admiradores constituíam a quase totalidade da população. Por mais que alguns republicanos queiram provar que a Monarquia caía podre, que a República era um anseio popular e que o movimento pela a sua proclamação estava organizado até os ínfimos detalhes, os fatos foram bem diferentes. O Imperador e a Princesa Isabel eram respeitados e admirados pela gente humilde, neste caso escravos, que no ano anterior deixou de serem escravos. O Partido Republicano conseguiu eleger apenas dois deputados nas eleições de agosto, e,nas ruas, as simpatias que conseguia angariar eram episódicas e pouco eficázes.

  • A multidão não participou, nem aplaudiu a República.

Arthur Azevedo, que viu o cortejo militar do dia 15 de Novembro, afirma: Os cariocas olhavam uns para os outros pasmados, interrogando-se com os olhos, sem dizer uma palavra. Na rua Primeiro de Março a passeata desfilou em silêncio, com Deodoro tentando manter-se ereto na sela e apresentando sintomas de recrudescimento de sua doença cardíaca.

O embaixador da Áustria, o Conde Weisersheimb comunicou a Viena, em despacho feito cinco dias após a proclamação da República: " A grande parte da população, tudo quanto não pertencia ao Partido Republicano, relativamente fraco, ou à gente ávida de novidades, ficou completamente indiferente a essa comédia, encenada por uma minoria decidida.

Segundo Joaquim Nabuco, a proclamação da república exerceu, sobre a população atônita, um efeito similiar ao do tiro de Caramuru entre os assombrados indígenas.

  • A República logo mostrou suas garras

Rui Barbosa foi um dos articulistas da proclamação da república, mas dela logo se deilidiu. Em um discurso no Senado, em 17/12/1914, ele critica a República e exalta o Imperador Dom Pedro II. o texto é bastante conhecido, mas pouco sabem o contexto em que se insere, porque a citação é sempre apresentada isolada:

"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.

Esta foi a obra da República nos últimos anos. No outro regime [monarquia], o homem que tinha certa nódoa em sua vida era um homem perdido para todo o sempre - as carreiras políticas estavam fechadas. Havia um sentinela vigilante, de cuja severidade todos se temiam e que, acesa no alto, guardava a redondeza, como um farol que não se apaga, em proveito da honra, da justiça e da moralidade."

<<Página Anterior - Proxima Página>>

 
     
Casa Imperial do Brasil ® 2004